26/03/2018 23h01 - Atualizado em 26/03/2018 23h03

Pesquisa de preços dos itens da Torta Capixaba aponta diferença de até 200% para o mesmo produto

Faltam poucos dias para a Sexta-feira da Paixão, data em que o consumo da torta capixaba é tradicional no Espírito Santo. Por essa razão, o Procon-ES iniciou uma pesquisa de preços, nos supermercados e peixarias da capital, dos ingredientes que compõem a receita.

A diretora-presidente do Procon-ES, Denize Izaita Pinto, disse que o objetivo das pesquisas realizadas pelo Instituto é de orientar o consumidor em suas escolhas e mostrar que pesquisar preços em diferentes estabelecimentos é sempre a melhor alternativa para economizar.

Dos itens pesquisados a maior diferença de preços foi encontrada no sururu, na azeitona, nos ovos e no colorau. Em uma peixaria da Praia do Suá, em Vitória, o sururu pode der encontrado a R$30,00 o quilo. Se o consumidor andar um pouco mais, poderá encontrar o marisco em uma peixaria próxima por R$10,00, representando uma diferença de 200% no valor do produto.

O preço da azeitona apresentou uma variação de 147,93%, entre os supermercados pesquisados. O alimento variou de R$ 3,38 a R$ 8,38 nas grandes redes. A dúzia de ovos também apresentou uma grande diferença, de 140,79%. O colorau também pode ter grande disparidade de preços, dependendo do supermercado. Nas redes pesquisadas, a diferença encontrada foi de 116,05% para o mesmo produto.

A diretora destacou, ainda, que a receita é tradicional, entretanto, é possível economizar buscando ingredientes ou substituições alternativas. “Quem quiser fazer uma torta mais em conta poderá substituir o tradicional bacalhau por outro tipo de pescado, substituir ou excluir algum tipo de marisco e, ainda, buscar ingredientes alternativos e que estejam mais baratos. É preciso cuidar, sobretudo, do orçamento. O importante é não se endividar”, orientou a diretora.

Procon-ES orienta sobre compras de pescados

Consumir produtos vencidos e estragados pode fazer muito mal à saúde do consumidor. Por isso, comprar alimentos em supermercados e feiras livres requer muita atenção, principalmente com a proximidade da Semana Santa, quando muitos alimentos ‘in natura’ são adquiridos para a torta capixaba.

Por isso, antes das compras, verifique as condições de higiene do estabelecimento e dos atendentes. Essa precaução também deve ser tomada com os vendedores ambulantes. Certos cuidados básicos podem evitar problemas, como doenças e intoxicações alimentares.

Na compra do palmito para a tradicional torta capixaba e outros produtos ‘in natura’, verifique a procedência e observe se os alimentos estão protegidos da presença de insetos, bem armazenados e refrigerados. As condições de armazenamento são itens fundamentais para garantir um alimento saudável.

O peixe deve ter a carne firme, os olhos salientes e brilhantes, guelras avermelhadas e escamas que não soltem com facilidade. Quanto ao peixe em postas, o ideal é que elas sejam cortadas na hora da compra, mas se já estiverem cortadas, observe a textura da carne. No supermercado, o pescado deve estar exposto em balcão frigorífico, e na feira, envolto em gelo picado, sempre protegido do sol e insetos. Além disso, é obrigatório que o encarregado das vendas use luvas descartáveis e avental.

Ao comprar lulas e polvos, a orientação é que o consumidor adquira os de cor mais clara, sinal que estão mais frescos. Já para os mexilhões, mariscos e ostras, a orientação é comprar moluscos ‘in natura’ e observar se as conchas estão bem fechadas. Moluscos com conchas abertas não estão próprios para o consumo. No caso do camarão, eles devem também ser firmes e com a carapaça presa ao corpo e o odor deve ser característico do produto, sem ser forte demais.

Para produtos vendidos a granel, verifique o peso, a quantidade e a aparência do alimento. Recuse produtos mal acondicionados, verifique a presença de sujeiras, mofo e não compre o produto se houver suspeitas sobre sua qualidade.

Em qualquer compra, leia sempre o rótulo dos produtos que devem estar em letras legíveis, em português, e trazer informações importantes como data de fabricação, prazo de validade, composição, peso, carimbos de inspeção, origem e fabricante/produtor, entre outros. Também é interessante que o consumidor adquira o hábito de ler os ingredientes e as informações nutricionais para ter certeza do que irá consumir.

Produtos industrializados que estejam vencidos e que apresentam embalagens estufadas, enferrujadas, amassadas, furadas, rasgadas, violadas ou com vazamento não devem ser adquiridos.

Acesse aqui a pesquisa de preços dos itens da Torta Capixaba.



Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação do Procon Estadual
Amanda Ribeiro
Tel.: (27) 3132-1840 / 9 9975-2490
imprensa@procon.es.gov.br

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard